Se esse é seu primeiro acesso, clique aqui. Esqueci minha senha

Posicionamento da SBGG em relação à matéria publicada pela Gazeta do Povo e Zero Hora sobre Polifarmácia e uso de medicamentos

19/02/2019

Em janeiro, o jornal Gazeta do Povo, do Paraná, veiculou a matéria “De laxante ao omeprazol: 11 remédios que você deveria parar de tomar imediatamente” com base em artigo publicado no MedScape. A reportagem foi republicada no jornal Zero Hora, do Rio Grande do Sul, com a seguinte informação “Os vilões: confira a lista dos medicamentos que deveriam deixar de ser prescritos segundo os médicos participantes do movimento Choosing Wisely”.

O texto contou com a entrevista do Dr. Renato Bandeira de Mello, diretor científico da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG) e integrante da Choosing Wisely Brasil (CWB). Entretanto, ao ser publicada, a entrevista foi descontextualizada, apresentando somente linhas finais da conversa. A lista com os “vilões” que não devem ser prescritos é incompatível com o entendimento da CWB e não reflete a opinião ou o tom da entidade, tampouco da fonte da SBGG.

O entendimento de que tais drogas são “vilãs”, como sugere o título da tabela publicada na Zero Hora, parte de interpretação errônea tanto da literatura cientifica como da fonte. Condutas não necessariamente são vilãs e não devem necessariamente deixar de ser prescritas. Há sim que se evitar exageros quando as indicações são frágeis do ponto de vista científico ou podem causar mais danos potenciais do que benefícios. Essa confusão decorre de uma dicotomia simplória frequente em debates na área da saúde.

A CWB, com apoio da SBGG, defende o uso racional de intervenções em saúde e quando a reportagem destaca medicamentos como “vilões”, tal afirmação de forma alguma representa o posicionamento de ambas as sociedades citadas em seu final. É importante ressaltar que a Choosing Wisely não é contra remédios, mas sim a favor da racionalidade e do exercício profundo do debate embasado em evidência, sobretudo quando a lógica “menos é mais” se aplica.

As entidades entendem que o debate sobre o excesso de procedimentos e/ou medicamentos utilizados na saúde é amplo, complexo e muito necessário. Entendem que a reportagem abriu espaço para o diálogo, mas destacam novamente o equívoco interpretativo de “vilanização” de medicamentos.

A Choosing Wisely Brasil e a Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia estão à disposição para esclarecer eventuais dúvidas sobre o assunto.

iTarget

iTarget