Etarismo na saúde e na assistência médica

Veja o que é etarismo (ou idadismo) e como a discriminação etária afeta a saúde e a qualidade de vida da população idosa

Etarismo é um conceito relacionado às atitudes discriminatórias contra indivíduos ou grupos etários com base em estereótipos associados a pessoas idosas e que pode ocorrer em diversos ambientes, incluindo a área da saúde e assistência médica.

O documento Global Report on Ageism, da série Global Campaign to Combat Ageism, produzido pela Organização Mundial da Saúde (OMS), traz alguns dados atuais sobre o impacto do etarismo.

Etarismo na área da saúde Um estudo realizado com cinco centros médicos nos Estados Unidos apontou que a idade é um fator determinante para oferta ou não de certos procedimentos médicos ou tratamentos, mostrando que as equipes médicas tomaram a decisão de suspender a terapia de manutenção de vida de 9 mil pacientes com doenças com alta taxa de mortalidade.

Para suporte ventilatório, o índice de decisões para suspender a terapia aumentou 15% a cada década de idade. Já para cirurgia, o crescimento por década foi de 19%, e para diálise de 12%.

Pessoas idosas e estudos clínicos

Pessoas em idade avançada tendem a ser excluídas de pesquisas da área da saúde, embora representem boa parte do volume total de pessoas que possuem doenças e fazem uso de medicamentos e terapias.

Uma revisão sistemática encontrou evidências de preconceito por idade em 49 estudos que investigaram a relação entre idade e exclusão de diferentes tipos de pesquisa em saúde.

Isso mostra que as pessoas idosas foram sistematicamente excluídas de ensaios clínicos em cardiologia, medicina, nefrologia, neurologia, medicina preventiva, psiquiatria, reumatologia, oncologia e urologia, embora muitas das condições em estudo sejam mais prevalentes na idade avançada.

Uma análise que deixou essa exclusão evidente foi sobre a Doença de Parkinson, que afeta principalmente a população idosa. De 206 estudos que recrutaram pacientes com a doença, cerca de 50% excluíram aqueles com mais de 79,3 anos.

A importância de ser especialista

A SBGG considera que todos estes dados sobre etarismo na saúde – mencionados ao longo do texto e apresentados pela Organização Mundial da Saúde (OMS), mostram a importância da especialização na área de Geriatria e Gerontologia e da titulação para profissionais da área médica que lidam com pessoas idosas.

É preciso reforçar a necessidade de pensar na pessoa idosa como integrante da sociedade, inclusive nos aspectos da assistência médica e pesquisas, uma vez que não é viável sua não participação em estudos clínicos sobre medicamentos e tratamentos que afetam diretamente indivíduos nessa faixa etária.

Quer ler o documento da OMS completo? Clique aqui.

Siga a SBGG nas redes sociais para acompanhar outros conteúdos relevantes para as especialidades e para as pessoas idosas:

/LinkedIn /Facebook /Instagram