Cuidados Paliativos: muito além da finitude

Hoje, 9 de outubro, é o Dia Mundial dos Cuidados Paliativos, prática que tem por objetivo melhorar a qualidade de vida de indivíduos com doenças graves e sem possibilidades de cura.

Esse tipo de cuidado pode ser oferecido quando as pessoas possuem algum sofrimento relacionado à saúde em virtude de doença grave, que ameace a continuidade da vida, em especial àquelas próximas ao fim da vida.

Quando realizado de forma adequada, respeitando as limitações do paciente, é possível, ainda, amenizar medos e auxiliar o indivíduo a alcançar o seu potencial máximo, ganhando força para seguir com a vida cotidiana.

A SBGG conta com a sua Comissão Permanente de Cuidados Paliativos, criada em 2004, e desenvolve trabalhos por todo o País por meio de encontros científicos, disseminando boas práticas e informações sobre o assunto.

As diretrizes dos Cuidados Paliativos

A International Association for Hospice & Palliative Care (IAHPC) elaborou um documento com uma série de diretrizes sobre os Cuidados Paliativos. Ele demonstra que o conceito desta abordagem nada tem a ver com apressar a morte ou negar suporte ao paciente, em contraponto à ideia equivocada que repercutiu nos últimos tempos, no Brasil.

Conheça as diretrizes:

– Inclui a prevenção, identificação precoce, avaliação integral e controle de problemas físicos, incluindo dor e outros sintomas causadores de sofrimento (psicológico e espiritual) e necessidades sociais. Sempre que possível, essas intervenções devem ser baseadas em evidências.

– Dá apoio aos pacientes, ajudando-os a viver o mais plenamente possível até sua morte, ao facilitar uma comunicação efetiva e ajudando-os e a seus familiares a determinar os objetivos dos cuidados.

– É aplicável ao longo do curso de uma doença, conforme as necessidades do paciente.

– São oferecidos em conjunto com tratamentos modificadores da doença, sempre que necessário.

– Pode influenciar positivamente o curso de uma doença.

– Não visa acelerar ou retardar a morte, afirma a vida e reconhece o morrer como um processo natural.

– Dá apoio à família e aos cuidadores durante a doença do paciente e no luto.

– É oferecido com respeito aos valores culturais e crenças do paciente e sua família.

– É aplicável em todo o tipo de lugar (residência e instituições) e em todos os níveis de atenção (do primário ao terciário).

– Pode ser oferecido por profissionais com treinamento básico em Cuidados Paliativos.

– Exige uma equipe multiprofissional especializada em Cuidados Paliativos para encaminhamento de casos complexos.

Cartas na Mesa

A SBGG, por meio da sua Comissão Permanente de Cuidados Paliativos, buscou um recurso facilitador para que os pacientes possam expressar suas vontades e experiências em relação ao final da vida.

O “Cartas na Mesa” (Go Wish®) é um baralho de 36 cartas que pode ser jogado de modo individual ou em dupla. É voltado para uso não apenas de profissionais da saúde, mas também por familiares e cuidadores.

As cartas ajudam a pessoa a encontrar as palavras certas sobre suas vontades em uma situação em que a sua vida esteja chegando ao fim em decorrência de uma doença grave.

Veja mais sobre o Cartas na Mesa aqui!

Aplicativo Minhas Vontades

Em 2020, a SBGG criou o aplicativo das diretivas antecipadas de vontade (DAV), um instrumento de reflexão sobre o que queremos para a nossa saúde caso não estejamos aptos a expressar nossas vontades.

As DAV é uma ferramenta de proteção à autonomia dos indivíduos que se encontram sem condições de expressar suas vontades no que se refere aos cuidados à saúde diante de uma condição grave e potencialmente sem possibilidade de cura.

Além de deixar registradas suas próprias vontades, o indivíduo pode também indicar uma pessoa que o represente caso não seja possível se expressar.

Veja mais informações clicando aqui e baixe o aplicativo minhas vontades

Para acompanhar mais informações e temas importantes para a velhice, saúde, geriatria e gerontologia, siga a SBGG nas redes sociais:

/Facebook
/Instagram
/LinkedIn