Se esse é seu primeiro acesso, clique aqui. Esqueci minha senha

14 de novembro – Dia Mundial do Combate ao Diabetes

14/11/2016

dia  mundial diabetes“Diabetes: uma doença invisível” este é o tema da mobilização que celebra em 14 de novembro o “Dia Mundial do Combate ao Diabetes”. A iniciativa, que ocorre anualmente, sempre apresentando um novo recorte.

A intenção deste ano é estimular o diálogo sobre o diabetes entre as pessoas e, com isso, disseminar conhecimento, bem como promover ações de prevenção e controle da doença.

No Brasil a Campanha do Dia Mundial do Diabetes é organizada pela Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD), com oficial apoio de outras entidades, como a Sociedade Brasileira de Endocrinologia (SBEM); a Organização Mundial da Saúde (OMS) e a Federação Internacional de Diabetes (IDF).  A SBGG apoia esta iniciativa da SBD.

Junto com o novo tema, foi criado um novo logotipo (imagem ao lado), baseado no círculo símbolo do Diabetes, o isotipo procura ter duplo sentido. No primeiro momento, representa um abraço entre 3 pessoas que simbolizam, cada uma, uma geração: o círculo maior, o idoso; o do meio, um adulto e, por fim, uma criança retratada pelo menor. Este abraço é a representação do carinho e do cuidado que devem ser passados através do tempo e das gerações, por meio da conscientização e do conhecimento acerca do Diabetes, missão principal da Campanha pelo Dia Mundial do Diabetes.

Seguindo ainda essa linha de raciocínio, o símbolo apresenta traço simples e dinamismo entre os círculos, no intuito de representar as ondas formadas ao jogarmos uma pedra em um lago, por exemplo. Essa é uma metáfora para o compartilhamento do conhecimento entre pessoas: uma vez que alguém compartilha uma informação, ela se espalha cada vez mais, por diferentes lugares, atingindo diferentes grupos.

Idosos: como evitar episódios de hipoglicemia

A SBGG endossa a campanha e traz um olhar sobre os cuidados com os idosos com diabetes. A Sociedade salienta que é fundamental observar o nível de glicemia (taxa de açúcar no sangue) para que não haja episódios como o de hipoglicemia, que consiste em uma complicação devido à baixa na taxa de açúcar no sangue, que afeta especialmente os diabéticos, principalmente os que estão em tratamento com medicamentos. O Ministério da Saúde aponta que idosos acima dos 65 anos são os que mais sofrem com diabetes, sendo que 21,6% das pessoas nessa faixa etária são portadores da doença. O diabetes tipo 2 é o mais comum.

O metabolismo das pessoas idosas pode apresentar comprometimento de funções nos rins e em outros órgãos, o que altera a absorção dos medicamentos e da insulina no organismo, e pode contribuir para um risco aumentado de hipoglicemia. Alguns dos sintomas leves que caracterizam o quadro de hipoglicemia são: sudorese, tremores, agitação, sensação de fome, de fraqueza. Mas crises hipoglicêmicas mais graves podem ser marcadas por confusão mental, turvação da vista, convulsão e, até mesmo desmaios.

O ideal é que exista uma forma de aferição da glicemia quando houver um primeiro sinal de alteração na glicemia. Como um primeiro socorro em caso de crise, é bom recorrer a uma fonte de açúcar que possa ser consumida rapidamente. O descontrole do diabetes pode causar cegueira, amputação de membros, insuficiência renal, derrame cerebral, disfunção erétil, úlcera nos pés, depressão, entre outros problemas. E aumentam os riscos de incontinência urinária, quedas e demências.

Algumas situações que podem desencadear uma crise de falta de açúcar:

  • Doses altas de remédios incluindo insulina ou certos comprimidos para diabetes
  • Alimentação inadequada
  • Realizar atividades físicas sem se alimentar ou reduzir a dose de insulina.
  • Intervalos muito longos entre as refeições
  • Excesso do consumo de bebida alcoólica.

Sintomas

Mudam de pessoa para pessoa e podem alterar ao longo do tempo. Nas crises iniciais devido à redução da taxa de açúcar podem ocorrer:

  • Suor ou tremor;
  • Sensação de fome.

Sempre que isso acontecer, recomenda-se que o nível de açúcar no sangue seja monitorado e, conforme o resultado, tratar a alteração.

 

Casos avançados da hipoglicemia podem causar: 

  • Dificuldade em andar ou sensação de fraqueza;
  • Visão turva;
  • Confusão mental ou agir de forma diferente do habitual;
  • Convulsão.

As primeiras etapas de baixa de açúcar no sangue podem ser assintomáticas. Isso eleva em muito as chances de descobrir o problema apenas em estágio avançado. Os médicos chamam este quadro de “desconhecimento hipoglicêmico”, comum em pessoas com o seguinte perfil:

  • Que tiveram diabetes tipo 1 há mais de 5 a 10 anos;
  • Que usem insulina para manter o controle do nível de açúcar no sangue;
  • Que consomem grande quantidade de álcool;
  • Que utilizem medicamentos para a pressão alta ou diabetes.

Como posso evitar a baixa de açúcar no sangue?

A melhor maneira de prevenir a baixa de açúcar no sangue é:

  • Verificar os níveis de açúcar no sangue com frequência – conforme indicação médica;
  • Conhecer os sintomas da baixa de glicemia no sangue e estar pronto para tratar essa questão nos estágios iniciais.

 

 

iTarget

iTarget