Se esse é seu primeiro acesso, clique aqui. Esqueci minha senha

Osteoporose, a doença silenciosa.

À medida que envelhecemos, ocorre uma perda natural e gradativa da massa óssea tanto nos homens como nas mulheres. Quando essa perda alcança um nível tão importante a ponto de desorganizar a estrutura dos ossos, aumentando a sua fragilidade e o risco de fraturas, temos então a osteoporose , que significa “ossos porosos”. O processo que leva a esse estado crítico de degeneração óssea é complexo e foge ao escopo desse texto.

Apesar da íntima relação com a terceira idade, é durante a infância e juventude que alcançamos nosso pico de massa óssea. Para isso, é fundamental garantir a ingestão adequada de cálcio, vitamina D e praticar exercícios mesmo quando somos jovens. Constituir ossos de qualidade permite-nos garantir a obtenção de uma boa reserva inicial que poderá postergar a doença em questão. Porém, essa reserva vai se esgotando lentamente ao longo dos anos …

Mesmo que tenhamos um pico de massa óssea razoável, diversos outros fatores associam-se a um aumento do risco da osteoporose primária: tabagismo, alcoolismo, sedentarismo, história familiar, imobilidade, baixo peso, origem asiática, menopausa precoce, menarca tardia e menstruação irregular são os principais. Algumas formas de osteoporose por outro lado, são chamadas de secundárias e dependem diretamente de doenças crônicas ou do uso de determinados medicamentos, especialmente corticóides.

Cabe ao médico traçar estratégias visando prevenir, diagnosticar e tratar esse mal que já provoca fraturas em 60% das mulheres e 30% dos homens com mais de 60 anos. Em geral o que ocorre é que somente após complicações, como dores decorrentes de fraturas é que as pessoas passam a se preocupar. A osteoporose é conhecida como uma doença silenciosa pois não provoca sintomas. Diferentemente do que muitos pensam, cansaço, desconforto, dores articulares e musculares não podem ser atribuídas diretamente à doença e radiografias não são um bom exame diagnóstico.

O método de escolha para confirmar a doença é a densitometria óssea. Além de outros exames complementares que podem ser solicitados a critério médico. O profissional que lida com osteoporose pode também eventualmente lançar mão de um questionário padronizado internacionalmente que funciona como uma ferramenta capaz de estimar o risco futuro de fraturas.

Vale salientar que o papel da reposição de cálcio e vitamina D é muito importante, mas de forma alguma substitui o tratamento da doença. O arsenal terapêutico disponível para quem tem osteoporose é vasto e inclui drogas orais ou injetáveis, com variados esquemas posológicos. Não espere o silêncio mascarar essa condição tão prevalente e perigosa, procure o seu médico!

 

Rodrigo Buksman
Médico especialista em Geriatria e Gerontologia pela UERJ e SBGG.
Geriatra do Centro Médico Pró-Cardíaco.



iTarget

iTarget